Câncer colorretal tem 90% de chance de cura, se descoberto no início.

O Instituto Nacional do Câncer (Inca) estima cerca de 600 mil novos casos de câncer no Brasil este ano.

Com exceção do câncer de pele não melanoma, os tipos de câncer mais frequentes serão os de próstata (68.220 casos novos),  em homens, e de mama (59,7 mil), em mulheres. Menos divulgado, o câncer colorretal ou do intestino grosso vem em seguida, com 36.360 novos casos em 2018, dos quais 17.380, e em homens, e 18.980, em mulheres.

No Dia Mundial do Combate ao Câncer, lembrado neste domingo (8), a mensagem do chefe-substituto da Seção de Cirurgia Abdomino-Pélvica do Inca, Rodrigo Araújo, é que o câncer colorretal é uma doença facilmente curável, quando descoberta no início. “Se diagnosticada nos estágios iniciais, a chance de cura da doença é de 90%.

O câncer de cólon e reto é o terceiro tipo de câncer mais frequente em homens e o segundo, entre as mulheres no Brasil. De acordo com o Inca, no Brasil, em 2015, 8.163 homens e 8.533 mulheres morreram em decorrência do câncer de de cólon e reto.

Segundo o Inca, a maioria desses tumores se inicia a partir de pólipos, lesões benignas que podem crescer na parede interna do intestino grosso. Uma das formas de prevenir o aparecimento do câncer é a detecção e a remoção desses  pólipos antes de eles se tornarem malignos.

De acordo com o Inca, alguns fatores aumentam o risco de desenvolvimento da doença, como idade acima de 50 anos, história familiar de câncer colorretal e história pessoal da doença (já ter tido câncer de ovário, útero ou mama).

Temos visto a incidência crescente desse câncer em pessoas com menos de 50 anos, o que preocupa”, disse Araújo, ao acrescentar que a obesidade e a inatividade física são fatores que aumentam a predisposição ao tumor.

 

 

Contato

(21) 2267-5384 (21) 99246-4696
contato@rodrigootavio.com.br
Rua Visconde de Pirajá, 351 - salas 617/617 . Ipanema - Rio de Janeiro